... e do Mundo! Fotografe, localize, compartilhe!
  1. Mídias
  2. Tatuí

Tatuí

Publicado por Aléssio F.

no dia 17/07/2019

1016 visualizações

0 comentário

Tatuíra (Emerita brasiliensis)

Escala do sujeito : 1 cm

Descrição

O tatuí (ou tatuíra) é um crustáceo décapode da Infraordem Anomura e da Família Hippidae. Crustáceos Anomura podem apresentar o abdome simétrico, curto e flexionado sob o tórax. A espécie Emerita brasiliensis é característica de zonas entremarés de praias arenosas ao longo de praticamente todo o litoral brasileiro.

Os tatuís podem ser facilmente encontrados nas zonas de arrebentação e influência direta das ondas nas quais a sua sobrevivência depende de sua capacidade de se enterrar rapidamente no substrato e manter a sua posição em um ambiente extremamente móvel. Através da ação coordenada de suas patas traseiras, eles se enterram «de ré» na areia molhada sob a influência das ondas e estendem suas grandes antenas plumosas para coletar partículas orgânicas em suspensão na água no momento do retorno de cada onda [1]. É neste momento que os tatuís se tornam visíveis, pois suas antenas formam pequenas marcas quando a água já está quase sumindo da praia.

Os tatuís podem ser encontrados em grandes densidades. Não existe dimorfismo sexual. Durante as épocas reprodutivas, as fêmeas carregam os ovos até a eclosão das larvas planctônicas. Em ambientes tropicais e subtropicais, fêmeas ovígeras podem ser encontradas praticamente ao longo de todos os meses do ano [2].

Atualmente os tatuís são considerados indicadores biológicos, pois estão cada vez mais ausentes em praias que sofrem com impactos antrópicos [3].

Registro realizado em Tamandaré, litoral sul de Pernambuco. Cinco tatuís foram capturados e colocados em um recipiente com um pouco de substrato da praia. O registro foi realizado com o aparelho fotográfico de smartphone em modo macro. Após o registro os animais foram soltos nos mesmos locais de captura.

Marcadores do autor

Observações

[1Trueman, E. R. (1970). The mechanism of burrowing of the mole crab, Emerita. Journal of Experimental Biology, 53(3), 701-710.

[2Defeo, O., & Cardoso, R. S. (2002). Macroecology of population dynamics and life history traits of the mole crab Emerita brasiliensis in Atlantic sandy beaches of South America. Marine Ecology Progress Series, 239, 169-179.

[3Spritzer, R., Barbosa, J. V., & Batista-da-Silva, J. A. (2015). Abundância da população de Emerita brasiliensis (Hippidae) em pontos na Praia do Leblon, Rio de Janeiro, Brasil. Natureza on line, 13(2), 82-85.

Comentar

Quem é você?

Pour afficher votre trombine avec votre message, enregistrez-la d’abord sur gravatar.com (gratuit et indolore) et n’oubliez pas d’indiquer votre adresse e-mail ici.

Inclua aqui o seu comentário

Este campo aceita os atalhos SPIP {{negrito}} {itálico} -*liste [texte->url] <quote> <code> e o código html <q> <del> <ins>. Para criar parágrafos, deixe simplesmente linhas vazias.

Apoie o Portal