... e do Mundo! Fotografe, localize, compartilhe!
  1. Mídias
  2. Thamnodynastes almae

Thamnodynastes almae

Publicado por Aléssio F.

no dia 02/11/2020

1296 visualizações

0 comentário

Thamnodynastes almae

Uma nota está vinculada à imagem. Passe o mouse sobre a imagem para exibir a nota.

Escala do sujeito : 50 cm

Descrição

Thamnodynastes almae é uma espécie de serpente endêmica da Caatinga. Pertence à família Dipsadidae. As fêmeas desta espécie são um pouco maiores do que os machos e medem em torno de 60 centimetros [1]. A espécie apresenta uma variação tenue de coloração, podendo apresentar fenótipos amarelados e marrom-claro. Ocorre preponderantemente em regiões pedregosas e vegetação xerófita. É popularmente conhecida como cobra-corre-campo, apesar deste nome englobar um grande grupo de serpentes comuns e de hábitos terrestres que se deslocam de forma rápida e ágil no chão. Em algumas regiões é também conhecida como jararaquinha.

O gênero Thamnodynastes possui 20 espécies descritas [2]. O Brasil abriga 12 destas espécies. As espécies do gênero são consideradas serpentes de tamanho médio. São vivíparas, suas pupilas são verticais e geralmente apresentam dentição opistóglifa. Apesar de serem consideradas “não-venenosas”, a dentição opistóglifa destas espécies indica a presença de peçonha. Os acidentes ofídicos são muito raros e os sintomas são leves, desaparecendo normalmente em 36 horas [3].

Possuem comportamento noturno e se alimentam geralmente de anfíbios. Não por acaso, este indivíduo foi encontrado se deslocando ativamente à noite próximo a um pequeno açude no Parque Nacional do Vale do Catimbau.

Registro realizado no dia 9 de abril de 2018.

Identificação: Marco Freitas.

Marcadores do autor

15/15
7/15

Observações

[1Coelho, R. D. F., Souza, K., Weider, A. G., Pereira, L. C. M., & Ribeiro, L. B. (2013). Overview of the distribution of snakes of the genus Thamnodynastes (Dipsadidae) in northeastern Brazil, with new records and remarks on their morphometry and pholidosis. Herpetology Notes, 6, 355-360.

[2Lima, M. S., & Guedes, T. B. (2020). First record of Thamnodynastes almae Franco & Ferreira, 2002 (Serpentes, Dipsadidae, Xenodontinae) in the state of Piauí, northeastern Brazil, and updated distribution map. Check List, 16, 1323.

[3Araújo, P. F. D., Silva, W. M. D., França, R. C. D., & França, F. G. R. (2018). A case of envenomation by neotropical Opisthoglyphous snake Thamnodynastes pallidus (Linnaeus, 1758)(Colubridae: Dipsadinae: Tachymenini) in Brazil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, 60.

Comentar

Quem é você?

Pour afficher votre trombine avec votre message, enregistrez-la d’abord sur gravatar.com (gratuit et indolore) et n’oubliez pas d’indiquer votre adresse e-mail ici.

Inclua aqui o seu comentário

Este campo aceita os atalhos SPIP {{negrito}} {itálico} -*liste [texte->url] <quote> <code> e o código html <q> <del> <ins>. Para criar parágrafos, deixe simplesmente linhas vazias.

Apoie o Portal