... e do Mundo! Fotografe, localize, compartilhe!
  1. Mídias
  2. Concha interna de Spirula

Concha interna de Spirula

Publicado por Aléssio F.

no dia 26/08/2020

65 visualizações

0 comentário

Concha interna de Spirula spirula

Escala do sujeito : não informado

Descrição

Spirula spirula é uma pequena espécie de lula de aproximadamente 5 centimetros, encontrada em águas tropicais e subtropicais de todos os oceanos. São animais pelágicos que vivem em profundidades relativamente elevadas, entre 500 e 1000 metros e raramente são visualizados em seus ambientes naturais. Conseqüentemente, a ecologia desta espécie na natureza permanece obscura. A espécie foi descrita originalmente por Linnaeus, em 1758, recebendo o nome de Nautilus spirula.

Entretanto, muito conhecimento sobre esta espécie de cefalópode é construído através de estudos realizados sobre a sua concha interna. Spirula spirula é um dos únicos cefalópodes que apresentam este tipo de formação interna mostrada na foto e serve de modelo para o estudo da evolução e desenvolvimento de espécies de cefalópodes fósseis, como os amonites [1]. A concha de carbonato de cálcio, em forma de espiral fracamente enrolada, lembra a figura geométrica espiral de Fibonacci. Possui 30 câmaras e é usada para controle de flutuabilidade. O volume das câmaras começa a aumentar exponencialmente a partir da oitava câmara [2]. Por causa do formato de sua concha interna, esta espécie é conhecida em inglês como Ram’s-horn squid. Em português poderia ser chamada de lula chifre de carneiro.

Spirula spirula possui uma estrutura bioluminescente (fotóforo) que emite uma luz esverdeada no topo do seu manto, provavelmente utilizada para atrair presas. Possuem grandes olhos e os machos possuem dois grandes tentáculos ventrais modificados. Alimentam-se de zooplancton, notadamente de pequenos crustáceos [3].

Esta concha foi encontrada na praia de Tamandaré, litoral sul de Pernambuco.

Marcadores do autor

7/7
1/7

Observações

[1Warnke, K., & Keupp, H. (2005). Spirula—a window to the embryonic development of ammonoids? Morphological and molecular indications for a palaeontological hypothesis. Facies, 51(1-4), 60-65.

[2Hoffmann, R., Reinhoff, D., & Lemanis, R. (2015). Non-invasive imaging techniques combined with morphometry: a case study from Spirula. Swiss Journal of Palaeontology, 134(2), 207-216.

[3Ohkouchi, N., Tsuda, R., Chikaraishi, Y., & Tanabe, K. (2013). A preliminary estimate of the trophic position of the deep-water ram’s horn squid Spirula spirula based on the nitrogen isotopic composition of amino acids. Marine Biology, 160(4), 773-779.

Comentar

Quem é você?

Pour afficher votre trombine avec votre message, enregistrez-la d’abord sur gravatar.com (gratuit et indolore) et n’oubliez pas d’indiquer votre adresse e-mail ici.

Inclua aqui o seu comentário

Este campo aceita os atalhos SPIP {{negrito}} {itálico} -*liste [texte->url] <quote> <code> e o código html <q> <del> <ins>. Para criar parágrafos, deixe simplesmente linhas vazias.

Apoie o Portal